In These New Times

A new paradigm for a post-imperial world

Posts Tagged ‘Geraldo Vandre’

Edu Lobo e Marília Medalha – Porta-Estandarte (1978) Geraldo Vandre

Posted by seumasach on September 19, 2009

Olha que a vida tão linda se perde em tristezas assim

See how our beautiful world is lost in sadness

Desce o teu rancho cantando essa tua esperança sem fim

Let’s sing always of our hopes

Deixa que a tua certeza se faça do povo a canção

make from our belief a song of the people

Pra que teu povo cantando teu canto ele não seja em vão

that they may find in it their own voice

Eu vou levando a minha vida enfim

Such is my life

Cantando e canto sim

song without end

E não cantava se não fosse assim

and I wouldn’t sing but for this

Levando pra quem me ouvir

bringing to those who hear me

Certezas e esperanças pra trocar

certainty and hope instead of

Por dores e tristezas que bem sei

pain and sadness

Um dia ainda vão findar

which I know one day will end

Um dia que vem vindo

a day which is coming

E que eu vivo pra cantar

I live singing for this

Na avenida girando, estandarte na mão pra anunciar.

in the streets, a standard bearer for happier times

Words and music by Geraldo Vandre


Posted in Uncategorized | Tagged: , | Leave a Comment »

Caminhando- Geraldo Vandre

Posted by seumasach on April 7, 2009

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção…

Marching, singing, following the song

We are all equal, arms linked or not,

In school, in the streets,

in campuses, construction sites,

Marching, singing, following the song.

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer…(2x)
Come! Follow on!

He who knows doesn’t wait.

He who knows, does what must be done.
Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão…

In the country, hunger in the great plantations,

In the cities, indecisive marchers file by.

Still, they make the flower their greatest emblem.

And believe in flowers defeating the gun
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer…(2x)
Come! Follow on!

He who knows doesn’t wait.

He who knows, does what must be done.
Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição:
De morrer pela pátria
E viver sem razão…
Armed soldiers, loved or not,

Almost all lost

with their guns in their hands.

In the barracks they teach an old refrain,

Die for your country, live in vain.
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer…(2x)
Come! Follow on!

He who knows doesn’t wait.

He who knows, does what must be done.
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não…

In schools, in the streets,

in campuses, construction sites,

We are all soldiers, armed or not,

marching, singing, following the song,

We are all equal, arms linked or not.
Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição…
Our loves in our thoughts,

flowers on the ground,

certainty on our brows,

history on our hands.

Marching, singing, following the song,

learning and teaching a new lesson.

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer…(4x)

Come! Follow on!

He who knows doesn’t wait.

He who knows, does what must be done.

Posted in Uncategorized | Tagged: | Leave a Comment »

 
%d bloggers like this: